E-book "Profissão: EU!"

E-book "Profissão: EU!"
Da autora do blog "Nodo Ascendente", já à venda em raquelfialho.com

sexta-feira, 14 de março de 2008

Tarot - XII. O Dependurado

"A coisa mais bela que podemos experimentar é o misterioso. É a fonte de toda a arte e de toda a ciência. Aquele para quem esta emoção é estranha, aquele que já não consegue parar para reflectir ou deixar-se deslumbrar, vive como se estivesse morto:

os seus olhos estão fechados."


Albert Einstein (Físico alemão, 1879 - 1975)

"Eis o mais extraordinário Paradoxo: quando desistirmos de tudo, teremos tudo. Enquanto quisermos poder, não o teremos. Mas no momento em que não mais o quisermos, teremos mais poder do que alguma vez imaginámos possível."

Baba Ram Dass (Líder espiritual norte-americano, 1931 - )

Símbolos Básicos


Um homem dependurado numa árvore (às vezes numa barra ou cruz Tau). A perna livre está dobrada, formando um 4, e a sua expressão é de tranquilidade, nunca de sofrimento. As suas mãos podem estar presas ou soltas. Em alguns baralhos, caem-lhe moedas dos bolsos ou das mãos.


A Viagem do Louco


O Louco acomoda-se debaixo de uma árvore, com o intuito de reencontrar o seu lado espiritual. Aí permanece durante 9 dias, sem comer, quase sem se mexer. Passam por ele pessoas, animais, nuvens, o vento e a chuva, as estrelas, o sol e a lua. Ao nono dia, sem que saiba conscientemente porque, o Louco trepa a árvore e pendura-se de cabeça para baixo num dos seus ramos, abdicando por um momento de tudo aquilo que é, do que quer, do que sabe e do que ama. Do seu bolso caem moedas, e ele observa-as lá do alto – não as vê como dinheiro, apenas como pequenos pedaços circulares de metal. A sua perspectiva do mundo alterou-se subitamente. O Louco sente-se como se estivesse dependurado entre o mundo material e o mundo espiritual, capaz de vislumbrar ambos. É um momento de êxtase, como um sonho absolutamente claro, nítido. As ligações que nunca tinha percebido, compreende-as agora, e todos os mistérios são-lhe revelados.

Apesar deste momento de clarividência parecer eterno, o Louco percebe que não pode durar muito. Em breve, ele terá de voltar à posição inicial, e nessa altura tudo lhe parecerá diferente. Terá de agir com base naquilo que aprendeu. Mas por enquanto ele continua dependurado, observando e absorvendo.



Notas interpretativas


A carta do Dependurado, regida pelo planeta Neptuno, é considerada por muitos como a mais misteriosa e fascinante do Tarot. Simples mas complexa, atrai e perturba, contradizendo-se de inúmeras formas. O Dependurado simboliza a acção do paradoxo sobre as nossas vidas: é que o que parece contraditório é normalmente verdadeiro, e certas verdades estão escondidas nos seus opostos.


Esta carta reflecte a história de Odin, que se ofereceu em sacrifício para obter conhecimento. Dependurado na árvore do mundo, ferido por uma lança, sem comer nem beber, Odin passou nove dias. No último, viu no chão as runas que tinham caído da árvore, compreendeu o seu significado, e desceu para as apanhar. Diz-se que todo o conhecimento pode ser encontrado nessas runas.


A principal lição do Dependurado é a de que é possível “controlar” abdicando do controlo: vencemos quando nos rendemos. A figura na carta mostra a derradeira rendição – morrer na cruz por si próprio construída, com um halo que brilha pela glória do entendimento divino. O Louco sacrificou-se, mas saiu vencedor.

É tempo de parar para meditar, para sacrificar o ego em prol de um conhecimento maior. Numa leitura, o Dependurado sugere que a melhor forma de resolver um problema nem sempre é a mais óbvia. O Querente deve parar de resistir: em vez disso, deve tornar-se vulnerável, desistir da sua posição e, com isso, ganhar esclarecimento. As questões que pareciam difíceis de responder ganham agora sentido. Pode ver o mundo de uma forma diferente, com uma clarividência quase mística. O Dependurado implica também um momento em que tudo parece paralisado, altura para descansar e reflectir antes de avançar. Se queremos vencer, devemos abdicar. Se queremos agir, devemos esperar. E será irónico comprovar como, actuando de forma aparentemente contraditória, acabamos por encontrar aquilo que sempre procurámos. Quando nos tornamos no Dependurado nunca mais voltamos a ver o mundo da mesma forma.


2 comentários:

  1. pois é...podemos ter uma oportunidade para estar em situação de dependurado e não a aproveitar! e a tentação de permanecer num estado de contemplação e meditação?quando se deve descer a arvore e abrir os olhos novos ao mundo/agir?... obrigada raca por este post tão interessante.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Agora compreendo. sempre senti o dependurado, curiosamente com ligação ao louco, mas com ideia completamente contrária, de pernas atadas sem se poder libertar, o resultado de um louco fugitivo sem interesse ou medo na resolução de soluções.
    Significa então que, dependurado vê o mundo pelas runas, ele sabe o que vai acontecer, consegue sentir tudo. e controla? (visualisação)?

    Guilherme - Gbasilveira@gmail.com

    ResponderEliminar