E-book "Profissão: EU!"

E-book "Profissão: EU!"
Da autora do blog "Nodo Ascendente", já à venda em raquelfialho.com

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Quíron em Touro e a Crise Portuguesa

Faço parte da última geração que nasceu com Quíron em Touro. A vulnerabilidade associada ao sentido de valor próprio e à capacidade para assegurar uma vida estável parecem ser características deste posicionamento, ainda que tal se possa manifestar de modo muito diferente. Para algumas pessoas, isso pode representar grandes dificuldades na relação com o corpo e as suas necessidades. Para outras, a falta de recursos financeiros que leva a contar os dias de mês a mês, de vencimento em vencimento (ou de subsídio em subsídio). 

Actualmente Portugal atravessa o período mais negro da sua História recente. Talvez os mais antigos se lembrem de tempos igualmente difíceis - ainda que as dificuldades fossem outras - mas para aqueles que como eu cresceram em liberdade e estabilidade, que aprenderam a confiar nas instituições - por mais ineficientes e mal geridas - e a acreditar que o voto faz a diferença, estes são tempos de completa estupefacção.

Mapa Astrológico da Revolução de Abril de 74
Adaptado de Astrodienst
Lembrei-me que muitas pessoas da minha idade (nascidos entre 1977 e 1980, mais coisa menos coisa) terão Quíron em conjunção ao Sol em Touro do actual regime democrático português (ver mapa astrológico do 25 de Abril). A construção deste Estado português parece ter-se sempre regido pela melhoria das condições de vida em termos muito concretos. E sem dúvida que os dinheiros europeus contribuíram de forma decisiva para esta sensação de que nada nos faltará jamais, da parabólica ao automóvel novo de 3 em 3 anos, do estatuto inatacável de funcionário público à inconsciente herança salazarista de que "está tudo bem assim e não podia ser de outra maneira". 

Tudo isto é Touro em modo "agora-não-me-apetece-evoluir-que-aqui-está-se-muito-bem". O comodismo, o consumismo, a inércia. Talvez a identidade natural renascida no 25 de Abril sempre tenha ressoado no nosso Quíron em Touro. E como a mentalidade predominante, talvez tenhamos calado a nossa inerente falta de sentido de valor com as benesses com que a má governação nos ia anestesiando. Se podíamos arranjar facilmente um emprego na Função Pública, porque nos haveríamos de questionar sobre os nossos talentos? Para quê pensar se o trabalho que fazíamos tinha qualidade se no final do mês o salário estava sempre garantido? E porquê colocar em causa a ineficiência, as cunhas, a incompetência, a injustiça, se sempre assim tinha sido e sempre assim seria? Don't make waves.

Valores, valores. Já não nos podemos esconder: Quíron em Touro sofre com o estado do país, e sofre muito. A já famosa crise de valores. Afinal, o que é mesmo importante para nós? Quem não encontra sustento por cá abandona o país com amargura e desilusão. Entre os que cá ficam, alguns manter-se-ão na ilusão de que isto "há-de passar" (Touro em negação é assim, agarra-se ao que é seu e espera pacientemente que tudo o resto volte ao sítio). Mas para muitos já não há como voltar atrás, à ingenuidade de que somos um país desenvolvido que, apesar das dificuldades, caminha lentamente no bom sentido. A crise força-nos a enfrentar a nossa debilidade quirónica. O que valho eu? O que restaria em mim se tudo o que é meu me fosse tirado? O meu corpo? Os meus talentos? O que tenho em mim de útil, de válido, de valioso, que possa garantir o meu sustento? O que posso eu construir que seja sólido, estável, à prova de crise?

E quando sabemos que é tempo de aceitar a mudança em vez de resistir-lhe? Como pode Quíron em Touro aceitar tamanha mudança num País tão avesso à mudança, se nem sabemos o que das nossas vidas pessoais vai sobrar quando tudo isto finalmente tiver um fim... ? Afinal, quando vale a pena agarrarmo-nos furiosamente ao nosso querido modo de vida, e quando é melhor simplesmente partir para longe, para uma nova promessa de abundância e de estabilidade...?

Não tenho respostas. As perguntas levam-me a reflectir sobre a riqueza de significados que está contida em Quíron. Talvez tudo isto nos force a encontrar novas e melhores formas de gerir os nossos recursos, individuais e públicos. Talvez nos desafie a utilizar e rentabilizar talentos que nunca antes levámos a sério. Talvez nos obrigue a construir um novo tipo de estabilidade pessoal e colectiva, mais sólida, mais durável. Talvez nos leve a descobrir que não podemos esperar ser sustentados pelo Estado, por mais impostos-ou-contribuições-ou-taxas que paguemos. Que o nosso valor próprio enquanto indivíduos e enquanto povo pode e deve resistir aos maus orçamentos, aos maus políticos, às más conjunturas interna e externa e a todo a escassez material e moral que este país ainda venha a ter de suportar.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Da vocação à profissão

Gostaria que no seu olhar pelo meu mapa astral me dissesse se consegue prever nos tempos mais próximos uma melhoria na minha situação profissional e financeira.

Estou a enveredar por um novo caminho profissional e é uma aposta que não me está a assegurar neste momento a minha subsistência e a da minha familia mas que me está a dar enorme prazer desenvolver. 

Sou Life Coach certificada há cerca de 1 ano e trabalho em publicidade. Estou a exercer essa profissão nas minhas horas vagas e a título gratuito mas gostava de saber se esta minha nova área tem sustentação no futuro.

Flor de Oliveira, Lisboa


Vivemos tempos de grande incerteza. A estabilidade profissional e a confiança nas instituições que muitos de nós aprendemos a tomar como coisa adquirida têm vindo a desmoronar-se perante o olhar incrédulo de toda a nação portuguesa. Paradoxalmente, esta situação tem servido para acordar muitos dos nossos talentos que até agora viviam adormecidos pelo conforto do consumo fácil. Mas as dúvidas persistem e são perfeitamente válidas: pode a actividade que verdadeiramente me apaixona servir para pagar as contas? Devo abdicar da carreira profissional a que tanto me dediquei para arriscar, financeira e emocionalmente, em algo francamente diferente de tudo aquilo que encaixa na definição tradicional de "sucesso"?

Adaptado de Astrodienst
Na base deste mapa astrológico está uma certa "urgência" em cuidar dos outros. Com o Sol, Mercúrio e Vénus conjuntos em Caranguejo, é grande a tendência para estabelecer uma ligação emocional com as as pessoas com quem se relaciona, e fá-lo naturalmente através de uma interacção calorosa e optimista com os outros (Ascendente Leão). O Sol rege este mapa - é ele que determina essa sua missão lunar de nutrir os outros com os seus imensos recursos emocionais. E porque a Lua está em Carneiro na casa 8, essa missão passará por um papel de liderança na gestão das crises pessoais de cada um. Você tem a capacidade de apoiar os outros em situações especialmente difícieis. E fá-lo não só pelo apoio emocional que consegue proporcionar mas sobretudo porque os inspira a agir, a tomar as rédeas da situação e a não terem receio de reclamar os seus direitos e impôr a sua vontade. Você pode bem ser um exemplo de coragem e de assertividade neste país cada vez mais dominado pela sensação de impotência e pela falta de confiança nas próprias capacidades. 

Este seu talento inato não é só "seu", nem a sua vontade de se tornar life coach deve ser entendida como uma questão de simples satisfação pessoal, ou de vaidade do Ego - longe disso!! É que temos Plutão e Neptuno envolvidos no assunto (a Lua está em quincúncio a ambos, formando um Yod ou Dedo de Deus). A sua Lua - o tal instinto para ajudar os outros a gerir recursos e ultrapassar dificuldades - é "alimentada" por fortes energias colectivas que exigem transformação do modo como as pessoas utilizam as suas capacidades práticas (Plutão em Virgem) e exploração das emoções mais profundas como fonte de transcendência e de dedicação à Humanidade (Neptuno em Escorpião). Daí que esta Lua não é só "sua" no sentido em que canaliza algo muito maior, uma tarefa "universal" para a qual você foi recrutada como executante.

Porquê life coach e não outra coisa qualquer? O mapa sugere que a sua reputação social e profissional está intimamente relacionada com a sua capacidade de lutar por objectivos muito práticos, de forma a construir algo de concreto e palpável no mundo material (Marte em Touro, conjunto ao Meio-do-Céu). A profissão de life coaching permite-lhe ajudar os outros exactamente desta forma, porque reune os instrumentos práticos necessários para que cada pessoa faça uma gestão eficaz da sua vida em termos muito concretos. Mas o que isto significa também é que você precisa de conquistar estabilidade efectiva na sua profissão, precisa de saber com o que pode contar hoje, amanhã, daqui a um ano. E também por isso a sua relutância em mudar de carreira profissional seja tão compreensível. Você precisa de demonstrar para si própria que consegue a remuneração de que precisa, pois só assim uma mudança tão grande se tornará aceitável aos seus olhos (é que Marte em Touro detesta mudar ;-)

Quanto a rendimentos próprios, a casa 2 em Virgem sugere que você se sustente através dos seus conhecimentos técnics e capacidades práticas. O signo de Virgem contem também o ideal do serviço ao Outro, da dedicação a aperfeiçoar o que tem falhas de modo a contribuir para um mundo mais funcional. Ainda que esta casa 2 lhe dê excelente capacidade de trabalho - reforçando o que já se via em Marte conj. Meio do Céu - pode trazer-lhe alguma auto-crítica excessiva e assim minar a sua confiança de que é capaz de garantir o seu sustento. 

É possivel que nunca se ache suficientemente competente para auferir os rendimentos que gostaria de auferir - e talvez venha daí o facto de ainda não ter cobrado pelos seus serviços de life coaching. Mas evite cair excessivamente no lado negativo das suas limitações: tente encará-las como um incentivo ao aperfeiçoamento constante dos seus talentos, não como uma incapacidade para ser uma pessoa útil aos outros. E não permita que essas limitações que vê em si a impeçam de reclamar o que é seu por direito: a valorização do seu trabalho e a sua natural expressão em termos remuneratórios. Repare que tanto a casa do sustento (2) como a casa da carreira profissional (10) são regidas por planetas em Caranguejo (Mercúrio e Vénus, respectivamente), o que mais uma vez aponta para uma vocação de cuidado aos outros.

Em termos de conjuntura astrológica actual, esta é muito favorável a grandes transformações - qualquer que seja o mapa em análise. Parece que os deuses nos estão a bater à porta e compete a cada um de nós, nas suas vidas individuais, reflectir sobre que mensagem os deuses nos trazem e como podemos torná-la realidade - ainda que isso signifique deixar para trás muito do que até agora fomos, construimos, acreditámos.

No seu caso concreto, Urano dança neste momento sobre a sua Lua, incitando-a a agir, a tomar de assalto o controlo sobre a sua vida e a abraçar o desejo de ajudar os outros. Neptuno e a Lua progredida avançam em oposição ao seu Plutão natal, apelando a que reconheça e assuma o seu poder pessoal em prol de uma vida mais de acordo com os seus ideais e de maior comunhão com o bem estar espiritual dos outros. Outro trânsito interessante acontece na sua casa da criatividade (5), envolvendo Plutão a Saturno natal. Este Saturno em Capricórnio quase que exige que você faça da criatividade uma profissão - talvez por isso trabalhe em publicidade. Mas Plutão chegou para virar tudo do avesso, e obrigá-la a encontrar dentro de si o significado mais profundo da sua criatividade. Servirá apenas para ajudar a vender imagens e produtos, ou pode ter um propósito maior? Nos próximos tempos (1-2 anos) serão sujeitas a raio-X as suas responsabilidades perante o uso que até agora fez do seu talento criativo. Está preparada para este auto-exame? Não tenha receio de se confrontar a si própria: desta experiência pode resultar toda uma nova forma de encarar os seus recursos criativos e de os utilizar para conquistar reputação e estabilidade na profissão que realmente a faz feliz.

Regressando à sua questão, os desafios estão para continuar nos próximos tempos. Para já sugeria-lhe que começasse a cobrar pelos seus serviços de life coaching, por muito simbólica que seja a remuneração. Isso vai proporcionar-lhe uma validação real, palpável, das suas competências enquanto life coach, e vai também permitir-lhe aumentar a sua rede de contactos nessa área. É que se você não se valoriza o suficiente para cobrar pelo serviço, quem a vai valorizar? Mostrando-se como uma verdadeira profissional dessa área - ainda que em part-time - vai ajudá-la também a perceber que oportunidades e hipóteses reais existem de se dedicar a 100% ao life coaching. Acredite que aos poucos tudo se tornará mais claro: mantenha os pés no chão, mas não deixe que os seus sonhos sejam apenas sonhos.